GMIDIA.COM
Marcon Máquinas
publicidade

Raiva em herbívoros: entenda sobre a doença

Dois casos de raiva em bovinos foram registrados em Garopaba e a informação é a melhor arma contra a doença


Raiva em herbívoros: entenda sobre a doença A raiva dos herbívoros é uma doença endêmica no Brasil, com frequentes focos no litoral catarinense devido às condições de topografia e clima para a manutenção do principal transmissor, o morcego hematófago. A doença é transmitida pela sua saliva quando o morcego se alimenta dos animais. No Brasil, existem mais de 180 espécies de morcegos, e somente uma delas alimenta-se exclusivamente de sangue de mamíferos, o Desmodus rotundus. Os outros alimentam-se de sangue de aves.

A raiva não tem cura, levando a óbito os animais infectados, por isso, a única prevenção é a vacinação. “Nos herbívoros como bois, porcos e cavalos, a vacina deve ser feita e repetida 30 dias após a primeira dose, é o que chamamos de reforço. E deve ser reaplicada anualmente, mas recomendamos que o produtor não espere os 12 meses, pois a imunidade do animal baixa ao longo do tempo”, explica a médica veterinária Angela Zimmermann, responsável regional pelo Programa de Controle da Raiva dos herbívoros da Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (CIDASC). A vacina antirrábica para animais de produção pode ser adquirida pelo produtor em casas agropecuárias, a custo médio de R$25 por frascos, contendo 20 doses.

Animais domésticos
Cães e gatos também correm risco de contrair a Raiva. “O morcego doente apresenta sinais clínicos, por isso pode voar durante o dia, o que não é comum, ou acabar caindo, e se deixar pegar por animais domésticos”, pontua Angela. A veterinária explica que cães e gatos não devem ter acesso a um bovino morto com suspeita de Raiva, e devem ser imunizados anualmente com vacina apropriada.

NAMEControle do transmissor
A CIDASC realiza o controle populacional dos morcegos hematófagos, mas para isso, precisa de notificações da ocorrência de mordeduras nos animais. “A análise para diagnóstico da Raiva é gratuita para o produtor, e ele não sofre nenhum tipo de penalidade se na sua propriedade houver uma infecção. Os animais com suspeita de Raiva não são sacrificados, eles acabam morrendo porque a doença é fatal, depois de apresentar os sintomas, não pode ser curada”, esclarece a veterinária.

Seres humanos também podem ser contaminados, por isso, a CIDASC deve ser notificada imediatamente a partir de qualquer suspeita. É preciso tentar isolar o animal e nunca entrar em contato com a sua saliva sem luvas. Em Garopaba, foram confirmados dois casos em bovinos recentemente e um terceiro está sendo analisado em laboratório. A última ocorrência foi em 2015, com apenas um foco, mas em 2009, foram registrados quatro casos na cidade.

No Registro, a reunião com os produtores rurais, em Areias de Macacu, com a presença da CIDASC, Secretaria Municipal de Agricultura e Núcleos Ampliado de Saúde da Família (NASF) de Garopaba

Fotos: Divulgação CIDASC



Glaucia Rosa Damazio       10/09/2018 As 19:07:45


Fotos da notícia Raiva em herbívoros: entenda sobre a doença


Dr. Henrique Scorsatto Cirurgião Dentista em Garopaba


Dr. Henrique Scorsatto Cirurgião Dentista em Garopaba

DENTISTA EM GAROPABA - ATUA EM CLÍNICA GERAL, TRATAMENTO DE CANAL EM UMA ...

Fotos da Região

Fotos de Gastronomia Gastronomia

Lazer & Entretenimento

Gaia Village Projeto Ambiental Gaia Village Projeto Ambiental




Central de Vendas: contato@garopabamidia.com.br - Garopaba - SC - Brasil


Desenvolvido por :GaropabaMídia
Copyright 2000-2015 GaropabaMidia.com.br - Todos direitos reservados